domingo, 16 de agosto de 2015

"Sonho..Quando ansiava ser um sonho teu".


Sonho de verão...sonho de férias a beira mar...assim me pego pensando que é só isso que nos reserva o tempo para bem amar, afinal o que sobra é a loucura do dia a dia, essa nos engole, compromissos, trabalhos, contas e mais contas a pagar, assim me vejo sonhando com férias, com um possível encanto a beira mar e quem sabe mais motivos para ter um bem querer ao meu lado.
Não há mais tempo para pensar no sofrer e sim na possibilidade de um bem querer.
O silêncio, a solicitude cabe no instante que nos reserva o tempo para o descanso.


                                                   "Sonho..Quando ansiava ser um sonho teu".



                                                           O amor, meu amor.
                                                                                                     (Mia Couto)

Nosso amor é impuro, como impuro é a luz e a água
E tudo quando nasce e vive além do tempo.
Minhas pernas são água, as tuas são luz

E dão a volta ao universo quando se enlançam  até se tornarem deserto e escuro.
E eu sofro de te abraçar, depois de te abraçar para não sofrer.

E toco-te, para deixares de ter corpo
E o meu corpo nasce quando se extingue no teu.

E respiro em ti Para me sufocar
E espreito em tua claridade para me cegar, meu Sol vertido em Lua,

Minha noite alvorecida.
Tu me bebes E eu te converto na tua sede.

Meus lábios mordem, meus dentes beijam, minha pele te veste
E fica ainda mais despida.

Pudesse eu ser tu E em tua saudade ser minha

                                               Própria espera.
Mas eu deito-me em teu leito

Quando apenas queria dormir em ti.
E sonho-te, Quando ansiava ser um sonho teu.

E levito, voo de semente, para em mim mesmo te plantar
Menos que flor: simples perfume, lembrança de pétala sem chão onde tombar.

Teus olhos inundando os meus e a minha vida, já sem leito, vai galgando margens
                                                                                    Até tudo ser mar.

                                                                  Esse mar que só há depois do mar.
                                                                             (do livro Idades...Cidades...Divindades)


ONDE ESTAVA TU? ONDE EU ESTAVA...

Palavra que as vezes é cura mas também tormento: TEMPO!
Na  Grécia antiga regida  pelo Deus Cronus...senhor que decide o que pode ou não ser esquecido, curado ou mesmo lembrado.
Nisso recebo uma mensagem que me faz marcar o tempo, há quatro anos e um mês estava em Nacala, lá no Norte de Moçambique, um lugar tão esquecido por tantos deuses e credos, mas tão pulsante tal qual o nosso tum-tum do coração...e bateu aquela saudade, das pessoas, da cor do mar, do céu, do café e das risadas ao final do dia quando voltávamos de boleia prontas para o descanso noturno e nos deparávamos com aquele tapete estrelado que nos acompanhava ao longo da estrada...viajávamos todo dia, ida e volta, de casa para o trabalho, 32 km...uma longa estrada! Foi um tempo árduo, de administrar saudades, quereres, saberes e a nossa liberdade tão exposta e vigiada.
Hoje alívio ao sentir que sobrevivemos, falo na 3a.pessoa porque eramos um grupo, que hoje se dispersou pelo Brasil...mas em contato sempre. Temos um laço forte que nos une em torno de um tempo que era preciso união e muito amor por estar ali...naquele lugar tão perdido no tempo.
 Na memória lembranças fortes que ainda causam taquicardia...hoje falei contigo e nem você acreditou que já se passaram tantos anos...bom é saber que sobrevivemos e não perdemos o fio da corda que nos une nessa e em outras vidas...fica pra você a paisagem que tatuei na nossa praia de Fernando Veloso...era 16 de agosto de 2011...era um domingo, ventava muito e fui caminhar quando não resisti com tamanha beleza:
Pra sempre Saudades!

domingo, 2 de agosto de 2015

A DAMA E O CAVALHEIRO

                                      "Que tudo seja leve de tal forma que o tempo nunca leve."
                                                                                                          ( Alice Ruiz)

Naquele dia a Dama recebeu a visita inesperada do Cavalheiro, amigos de longas datas...não se viam há anos, talvez décadas...ambos se surpreenderam com a boa energia trocada no instante que se abraçaram, era o encontro do ano.
Trocaram notícias, atualizaram histórias antigas, entre eles duas histórias de amor com irmãos, dois passados de lembranças, doces e amargas...dois passados enterrados com dores e frustrações...entre eles um PRESENTE de alegrias e risadas a compartilhar.
A Dama traz ele para o mundo dela, de livros, de saberes, do bem viver a beira mar, com arte, encanto e diversão.
O Cavalheiro se integra, é acolhido por novos amigos, se emociona com tanta afetividade, sua luz brilha e contagia a todos.
Entre conversas, drinques, risadas a Dama encerra a noite entre os livros...lá fora há outros caminhos a percorrer...
Um jantar, entre trocas de olhares, risadas...um flerte
                                                                       um carinho
                                                                       um beijo bom roubado!
Foram dançar, dançaram várias danças...
                                       já se confundiam entre a multidão pulsante e...
                                                                                                 se soltaram no embalo da noite.
                           Entre um e outro havia uma alegria contagiante e responsável.
Ele a agradecer a tão boa receptividade.
Ela absorvida com o encanto do encontro, com o jeito doce e cuidadoso a cada passo.
Ambos se largaram no prazer do momento, estavam juntos, o tempo mostrava que já não havia mais tempo...lá fora uma Lua azul ia se despedindo das estrelas e o Sol em meio a nuvens chegava confirmando o passar das horas.
Logo o Cavalheiro iria partir...logo a Dama voltaria para seu tempo real...entre eles tocava uma linda sintonia e um embalo de alegrias vindouras...um gosto do querer bem e um toque especial de algo bom que havia no ar.
                        O Presente foi recebido.
                                                        O Passado esquecido.
                                                                               E o Futuro só vivendo para ser lido.
A Dama e o Cavalheiro se despedem felizes, sabem que fizeram um BEM danado UM para o OUTRO.

" O bom do caminho é haver volta.
               Para ida sem vinda basta o Tempo."( Mia Couto)

Um beijo bom para VOCÊ!

sábado, 1 de agosto de 2015

O QUE DEIXAMOS PARA TRÁS

"A vida é feita de escolhas. 
Quando você dá um passo à frente, inevitavelmente alguma coisa fica para trás.” 
                                                                                               (Caio Fernando Abreu)

                                                                                                   (pintura de Gaelle Boissonnard)
A gente nunca imagina que ao nos apaixonamos vamos sofrer, que algo pode acontecer e nos deixar mal, que aquela pessoa que nos fez perder noites, sono, vontade de comer ou muita vontade de fazer tudo com ela, um dia possa simplesmente nos dizer: valeu, a gente se fala! E simplesmente ir embora! 
Essa semana ouvi de alguém muito querido, que eu era muito boa, capaz de perdoar até aquele que me prejudicou tanto na minha existência, me dei conta disso e sofri muito ao perceber que era verdade, amei sim uma pessoa muito tempo, a perdi e a reencontrei tempos depois, pudemos experimentar momentos bons e ruins e fui depois descartada de forma tão banal, sem muito o que dizer, só a simples menção que nada tinha sido verdadeiro...isso me custou décadas de lembranças de um sentimento que foi simplesmente jogado no esgoto das desilusões, se recebi um grande golpe da vida foi esse, pensar que era amor o que sentia quando tudo não passou de um simples engano! E pude resignificar toda uma história ao dar sentido ao vivido com um outro olhar, lembrando ademais de outras paixões experimentadas.
De quantos amores somos feitos?
E pude comparar tudo isso aos  meros romances que chegam ao seu final digno de lágrimas. Isso porque investimos forças, vontades e esperanças em algo, a gente espera colher coisas boas, mas as vezes tudo que sobra são indeterminações sentimentais e algumas lágrimas, reprimidas ou não.
É quando percebemos que  cada paixão que temos na vida tem seu canto especial, e nos transformou no que somos hoje. Cada pessoa que passa por nossa vida deixa um pouco e leva outro. Somos uma mistura, um bem bolado, de todos que já tocamos e por quem fomos tocados. Nós somos a misturas dos perfumes, dos presentes, das piadas e dos carinhos que um dia já recebemos, sentimos, ou professamos.

Sim, sei que experimentei momentos singulares e senti coisas que não imaginei sentir novamente. Fui levada a extremos sentimentais, sorri sem mentiras, ri como há muito tempo não o fazia. Sim, fui feliz. Eu vivi o estar nos braços de alguém que te olha como se não houvesse alguém melhor, ou outra pessoa com quem quisesse estar. Eu experimentei do que alguém é capaz para agradar quem se gosta, e experimentei também como é confortante depois de um dia cinza e triste, deitar ao lado do sorriso mais bonito do mundo ( pelo menos era naquela momento).
É raro nessa era da paixão instantânea viver algo assim, daí ser dificil até acreditar na veracidade dos fatos, já que é tão raro encontrar alguém que te deixe leve, despreocupada, e que te faça ser boba junto. O stresse o dia-a-dia já nos da de sobra, precisamos mesmo é de bobeira na vida. E eu amei ser boba assim. Eu amei cada brincadeira, e cada risada. Eu amei cada madrugada acordada, por que eu sabia que estar ali era mais importante que qualquer horário no relógio. Eu amei cada momento, e sei que eles foram autênticos.
Mas na vida, nem tudo dura. Nem tudo é pra ser. E chega o momento em que não mais possuímos esse coração conosco. As coisas mudam, os planos mudam, os corações mudam de ideia. E aquele sorriso que brilhava para nós, vai passar a brilhar pra outra pessoa. Aquela mão que um dia combinou perfeitamente com a nossa, amanhã percorrerá outros corpos.  
E sim, nos aperta o coração não possuir mais aqueles olhos de comer fotografia sobre sobre nós, ou ouvir as mesmas piadas sem sentido, mas que para a gente sempre são repletas de graça, só por ser ele o dono delas.
E a gente pergunta, por que acabou? O que aconteceu que não perdura por mais tempo? Respostas já não existem...
O que existe é o consolo de ter conhecido esse coração, assim como todos os outros os quais já toquei. Sou feliz por ter vivido um pequeno infinito com o dono do sorriso mais lindo do mundo.  
Que sejamos felizes por todos os amores que já vivemos. Guardarei sempre as melhores lembranças. Desejando que não houvesse acabado, mas reconhecendo a hora do fim, e admirando-o mesmo assim. 
E isso meu amigo não é ser BOA e sim ter amado e ter sido amada nem que tenha sido por uma eternidade de segundo, mas foi real enquanto ilusão de existência! 
Que possamos sim guardar no baú das boas lembranças os bons momentos vividos e que novamente possamos nos encantar com um novo e único amor!
Que seja bem vindo amor que nasce sem muito pedir...sem muito exigir a não ser o olhar de alegria que sai em forma de sorriso! 

                                                                          Em       26 de junho de 2015 

VEM

O abelhudo e a exibida                         ou o pintor e sua obra Me encanto quando me invade assim Meio sem jeito, mei...