terça-feira, 4 de novembro de 2014

Alma...minha?


De quantas memórias nossa alma guarda?
Vidas passadas?
Vidas atuais?
Será esse acumulo que nos deixa tão fracos a ponto de querer desistir de mais uma vida?
E que alma é essa que prefere impedir da vida fluir?
Nascemos com uma missão
Será que sabemos disso?
Ou teremos que transitar muito para descobrir?
Trago uma alma que chora e se apavora
Diante das perdas, da rejeição, do encontro de uma alma aflita
Trago uma alma melancólica que silencia
Diante da decepção, da frustração, da miséria alheia.
Trago uma alma que tem medo e mil receios
Diante da maldade humana, da crueldade e frieza no viver.
Mas também trago uma alma inquieta,que se arrepia
Diante da emoção do olhar, da lembrança, do toque de amor.
Uma alma que insiste em acreditar
Nos dias de Sol
Nas noites de Luar
Nas almas boas
Na gente de bom coração.
Uma alma que insiste em criar
Nas nuvens de sonhos
Nos sorvetes de verão.
Uma alma que busca no outro
A emoção dos desejos
A construção de castelos encantados
E ainda
Na princesa que encontra seu par.

Será possível sobreviver com essa alma?

                                                                                                             ( Salvador, 16/10/2014)

Um poeta e sua mãe

Maio ficou para traz mas não poderia deixar de registrar o presente mais sublime que recebi do meu poeta amado,  meu filho mais novo!  El...