quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Gosto do que me traz PAZ

Após encontros e despedidas entre a Dama e o Cavalheiro,  entre eles surgiu um vínculo forte e a Dama resolveu deixar esse bilhete para seu Cavalheiro...um  Passarinho voador!

                “Sou mulher e não fui feita para competições.
                 Não nasci para guerrear, nasci para Amar, e me doar.
                 Doar ao meu Ser, aquilo que faz a minha alma vibrar.
                 Não sei me doar pela metade, gosto de coisas inteiras.
                 Se for meio termo, prefiro o copo vazio...
Assim abro espaço para eu acrescentar novos sabores.
Sou intensa, choro fácil e sorrio quando encontro o meu porto seguro.
Não tente me parar, pois só piso em chão que eu possa criar raízes, e               quando as crio eu vou até o infinito...
A minha força eu não provo no grito, mas sim no meu silêncio.
Desço nas cavernas mais escuras do meu SER para descobrir a minha LUZ,
Sou menina, sou faceira, sou mulher, sou mãe, sou amante.
Mas nada serei, se você não tocar a minha alma...e ao tocar experimentará os mais sublimes vôos.
                        Eu não provo, eu faço.
                        Eu não falo, eu permito que você conheça aquela que eu sou...
Mas se você não conseguir abrir-se para o AMOR, nada você conhecerá.
Não esconda quem você é, mostre-se por inteiro, suas verdades, seus medos, seus conflitos...e nós conversaremos e compartilharei os meus...pois somos seres humanos com nossas alegrias e  tristezas e juntos nos acolheremos.
Preciso de colo,de carinho e de conversas...de muitas conversas e também       de silencio e me recolher na minha concha!
O simples me encanta...gosto de mato, de por do sol, de águas claras...eu       gosto do que traz paz.
Eu só sei me entregar quando a linguagem é do coração
Sou instável, inconstante e muitas vezes indecisa, mas sou eu na minha estranheza e na minha verdade, e se conseguir voar ao meu lado para sempre ao seu lado voarei.”

Que o ano de 2016 seja de luz, amor e muita paz para a Dama e seu Cavalheiro Passarinho.

                

Um poeta e sua mãe

Maio ficou para traz mas não poderia deixar de registrar o presente mais sublime que recebi do meu poeta amado,  meu filho mais novo!  El...