segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Entre o Céu e o Mar

Buscando entender conceitos, diferenças, semelhanças e aproximações sobre AMOR e PAIXÃO tive a oportunidade de conhecer a obra de um escritor português Miguel Esteves Cardoso, um autor contemporâneo que tem uma trajetória bastante curiosa diante das suas produções literárias, depois de ter escrito vários livros e se tornar cronista de alguns jornais portugueses hoje concentra-se no seu trabalho de blogueiro, no blog PÚBLICO o qual escreve e comenta sobre diversos temas e assuntos.

Descubro assim um texto que escreveu sobre esse tema que tanto nos intriga na sua compreensão pequena e restrita quando diante de estar vivendo ou experienciando uma relação amorosa, em "Explicações portuguesas" ele traça pontos possíveis de serem sentidos e compreendidos em toda a sua simplicidade e/ou complexidade.
 Até onde o que sentimos é paixão? quando deixa de ser paixão e se torna amor? o que vem primeiro o amor ou a paixão? existe amor sem paixão? e lá se vai uma infinidade de perguntas com respostas as mais variadas...fieis ou não aos nossos princípios...compartilho com vocês o texto que ele tão brilhantemente me convenceu sobre a veracidade das suas crenças:

                                  O amor maior

O amor é preocupação. Ter o coração já previamente ocupado. Ter medo que alguma coisa de mal aconteça à pessoa amada. Sofrer mais por não poder aliviar o sofrimento da pessoa amada do que ela própria sofre. 
O amor é banal. É por isso que é tão bonito. O que se quer da pessoa amada: antes que ela nos ame também, é que ela seja feliz, que seja saudável, que tudo lhe corra bem. Embora se saiba que o mundo não o permite, passa-se por cima da realidade, do raciocínio do que é possível, e quer-se, e espera-se, que Deus abra, no caso dela, uma excepção. 


A paixão pode parecer mais interessante. Mas irrita-me que se compare com o amor. Como se pode comparar dois sentimentos que não têm uma única semelhança? Se o amor e a paixão coincidem, é como a cor do céu e do mar num dia de Verão — é uma alegria, mas nada nos diz acerca do que distingue o ar da água. 
Dizer que o amor pode começar como paixão é uma forma falaciosa de estabelecer uma continuidade entre uma e outra, geralmente pejorativa para o amor, que é entendido como um resíduo da paixão, uma consequência menos alterosa, mas mais profunda, menos excitante mas mais eterna. 



O amor começa pelo amor. É o céu. O céu foi criado primeiro. A paixão é um simples impulso físico, material, mensurável, explicável por todas as ciências da atracção. É o mar. O mar está mais perto de nós. Podemos chegar ao fundo dele. A diferença entre o amor e a paixão é como a diferença entre a cosmologia e a oceanografia. O mar tem fim, tem peso, tem vida. O céu não tem limite. O céu é dos astrónomos e dos poetas, que sabem que hão-de morrer sem percebê-lo. O mar é dos cientistas e dos observadores, que podem passar a vida dentro dele, sabendo que é finito e perceptível. O céu, como o amor, tem Deus acima dele. O mar, como a paixão, tem o Homem lá dentro. Compare-se o efeito que os anjos têm sobre nós com o que têm as sereias e perceber-se-á a distância entre a religião e a mitologia. A religião é uma coisa de Deus, do amor — a mitologia é uma coisa de pessoas-feitas-deuses, de paixão. 


Como coincidem tantas vezes amor e paixão, é preciso isolá-los para não confundi-los. Basta responder à velha pergunta, sem responder depressa, com as velhas mentiras com que nos enganamos uns aos outros: «Se essa pessoa só conseguisse ser feliz amando outra, seria capaz de desejar que isso acontecesse, custasse o que me custasse?» Só quem ama responderá que sim. Imediatamente. Porque o amor é claro, é inevitável e, para além do mais, é um dom maior, maior que o amor-próprio, uma dádiva que ultrapassa as privações e o sofrimento. 


Miguel Esteves Cardoso, in 'Explicações de Português' 



Ter o seu sorriso

                                                                                   E saberei acariciar as novas flores, 
                                                                                            porque tu ensinaste-me a ternura.

                                                                                                                                            Pablo Neruda

O que dizer do sorriso de alguém que amamos...que nos faz rir de graça mesmo nos momentos mais difíceis e tristes? Afinal nos constituímos de dias alegres e sem luz, de dias de sol mas também de ventanias, nesses dias é que percebemos onde estamos pisando e se podemos nos manter firmes para continuar a caminhada...assim me pego hoje ao ler esse poema de Pablo Neruda, feliz por um dia ter sido conquistada por esse sorriso...melancólica por ter uma saudade eterna de estar longe desse sorriso que guardo  aqui...só para mim!
Passamos mais um verão...assistimos mais uma lua cheia, sonhamos e rimos dos nossos sonhos, divagamos contando estrelas e planejamos um futuro que de tão difícil as vezes nos entristece...que consigamos vencer o baixo astral que nos contaminou nesse início de ano.
Que possamos viver nas quatro estações rindo...rindo muito de tudo isso!
                        Meu Sir...Te deixo de presente do meu mergulho de hoje esse lindo poema:
                               
                                                                             O teu sorriso
                                                                          Tira-me o pão, se quiseres, 
                                                                          tira-me o ar, mas
 
                                                                          não me tires o teu riso.
 

                                                                          Não me tires a rosa,
 
                                                                          a flor de espiga que desfias,
 
                                                                          a água que de súbito
 
                                                                          jorra na tua alegria,
 
                                                                         a repentina onda
 
                                                                         de prata que em ti nasce.
 

                                                                        A minha luta é dura e regresso
 
                                                                        por vezes com os olhos
 
                                                                        cansados de terem visto
 
                                                                        a terra que não muda,
 
                                                                        mas quando o teu riso entra
 
                                                                        sobe ao céu à minha procura
 
                                                                        e abre-me todas
 
                                                                        as portas da vida.
 

                       Meu amor, na hora
 
                       mais obscura desfia
 
                       o teu riso, e se de súbito
 
                       vires que o meu sangue mancha
 
                       as pedras da rua,
 
                       ri, porque o teu riso será para as minhas mãos
 
                       como uma espada fresca.
 

                                                             Perto do mar no outono,
 
                                                             o teu riso deve erguer
 
                                                             a sua cascata de espuma,
 
                                                             e na primavera, amor,
 
                                                             quero o teu riso como
 
                                                             a flor que eu esperava,
 
                                                             a flor azul, a rosa
 
                                                             da minha pátria sonora.
 

                   Ri-te da noite,
 
                   do dia, da lua,
 
                   ri-te das ruas
 
                   curvas da ilha,
 
                   ri-te deste rapaz
 
                   desajeitado que te ama,
 
                   mas quando abro
 
                   os olhos e os fecho,
 
                   quando os meus passos se forem,
 
                   quando os meus passos voltarem,
 
                   nega-me o pão, o ar,
 
                   a luz, a primavera,
 
                   mas o teu riso nunca
 
                   porque sem ele morreria.
 

Pablo Neruda, in "Poemas de Amor de Pablo Neruda
 

VEM

O abelhudo e a exibida                         ou o pintor e sua obra Me encanto quando me invade assim Meio sem jeito, mei...