domingo, 17 de agosto de 2014

Tranquilidade? Quem não precisa?

É incrível a capacidade que algumas pessoas tem em tirar a tranquilidade do outro!
Cada ser para estar equilibrado é preciso navegar em torno do seu eixo e quando você está plenamente tranquilo colocando sentimentos, emoções, carências e imperfeições no lugar eis que um vento forte te arranca desse lugar...um vento capaz de te derrubar se você não tiver raízes fortes a te segurar...e o que são essas raízes? Entendo-as como sendo seus valores e convicções acerca da vida...enfim, da mesma forma que o vento vem ele vai embora e assim novamente firme você precisa colocar tudo em ordem novamente...esse é o caso das histórias de amor, elas acontecem de forma inesperada, bagunçam sua tranquilidade, em um instante são um oceano de puro deleite em outro lágrimas evaporadas de sofridão.
Escreveu Osho, todo caso de amor é perigoso, pois a pessoa precisa perder a si mesma.De certa distancia isso é perfeitamente bom. Os amantes pensam em tantas coisas que irão dizer quando encontrar seus amados, seus queridos. Mas, quando eles se encontram, de repente se tornam mudos. A proximidade cria uma mudança -- a mente tagarela não está mais tagarelando, e há um temor..." 
Mas felizmente o temor acaba quando enfrentamos nossos medos e receios...quando encaramos o outro e dizemos...você não pode tirar a minha paz! Não preciso me perder de mim mesmo para te ter!
Assim menino...preciso me recolher para ter a minha PAZ de volta!



VEM

O abelhudo e a exibida                         ou o pintor e sua obra Me encanto quando me invade assim Meio sem jeito, mei...